Parabéns, Mariana Vitorino

Parabéns, Mariana Vitorino

Regra geral, são vários os motivos que nos podem induzir a escrever, são várias as emoções anexas, são vários os pensamentos que querem ter voz…

Hoje escrevo para (e por) uma das mulheres da minha vida – mesmo que ela não tenha noção disso, talvez porque não lho diga com frequência -, hoje escrevo para a única pessoa da família directa (se me permitem a expressão) que ainda não tinha tido, até à data, qualquer tipo de dedicatória… Hoje escrevo para a minha irmã, Mariana Vitorino.

Durante a madrugada, enquanto dava voltas na cama, por causa do calor, recordei o dia em que nasceste…Recordei, particularmente, o facto de estar em casa da avó Luz e o pai ter chegado de carro. Buzinou e nós viemos cá para fora (eu, a avó e a tia Piedade) e o pai disse: “Já nasceu!” Ao chegarmos ao hospital, recordo-me que foi com imenso cuidado que te peguei ao colo e, embora na altura tenha sido muito importante, apenas hoje, passados 14 anos, tenho plena noção do significado daquele gesto tão singelo, mas mágico e avassalador.

A “Nicró” foi crescendo e crescendo e, verdade seja dita, não só em tamanho, mas também em astúcia, inteligência (que a tem em maior quantidade que qualquer elemento lá em casa – também me incluo neste lote), capacidade de compreender o que a rodeia, em teimosia (não fosse ela da família Vitorino), mas sobretudo numa enorme habilidade de não só perceber a importância da Fé, como também de amar e de se preocupar com o próximo.

A nossa relação nem sempre foi fácil (penso que todos os que têm irmãos terão algo a dizer sobre esta matéria), porém, nos momentos verdadeiramente importantes, soubemos estar lá um para o outro (creio eu) e sempre soubeste surpreender-me quando menos esperava, especialmente nos escuteiros – recordo o dia das minhas partidas, em que me entregaste um bilhete com uma dedicatória; recordo o texto que tens neste mesmo blog, o da “pequena sacana”…

Mariana, o mano nem sempre te deu a atenção que merecias e exigias, nem sempre te instalou os jogos no computador, nem sempre teve paciência para ti ou para as tuas acções, nem sempre foi capaz de te abraçar quando precisavas, muito por culpa própria, porque a vida fora de casa (e mesmo dentro desta) foi exigindo cada vez mais de mim – peço-te que aproveites, ao máximo, os anos de vida em que as grandes preocupações são os testes ou estudar; peço-te que aproveites as oportunidades que surgem a cada amanhecer e peço-te que não tenhas medo de crescer, mantendo a criança amiga, verdadeira, sincera e capaz que sei que és.

Certamente te aperceberás que, muitas das vezes, erramos na vida, falhamos e tropeçamos, mas quero-te dizer que estou ao teu lado, mesmo que apenas de forma espiritual; quero-te dizer que estou à distância de uma chamada de telemóvel, skype, whatsapp, facebook – irra, tanta maneira de estarmos perto e, por vezes, nem assim!; quero-te dizer que tenho um imenso orgulho em ti, nas tuas capacidades, na forma como manifestas a tua Fé – caramba…tivesse eu a tua capacidade quando tinha a tua idade…tivesse eu compreendido a importância de Deus e de Jesus na minha vida – e que tão feliz me deixa;

Mariana, eu gosto muito de ti – tanto quanto um irmão pode gostar; Mariana, eu amo-te com todo o meu coração – tanto quanto um irmão pode amar; Mariana, eu preciso de ti na minha vida – tanto quanto um irmão pode precisar…

Mariana, quero pedir-te desculpa por não estar aí contigo para te cantar os parabéns e para te dar um abraço apertado, quero-te pedir desculpa por não te dar nenhuma prenda (hoje, pelo menos), quero-te dizer que estou com saudades tuas e da tua companhia, na sala, a jogar Playstation e a levar, de vez em quando, “valentes coças” no Fifa (sim, admito, a minha irmã de 14 anos joga muito melhor do que eu).

Para terminar, agradeço a Deus, nosso Pai, pela enorme graça que concedeu à nossa família – o teu nascimento e vida; agradeço aos nossos pais por terem escutado a voz que lhes dizia: “Jovens, se calhar já ouviam o vosso filho e tentavam dar-lhe um irmão (que acabou por ser irmã, felizmente)!” e agradeço-te a tua presença na minha vida, a tua amizade, a tua boa disposição e parvoíce (sim, porque há que ter boa disposição de espírito, não é?)

Obrigado, Mariana, por seres minha irmã!

Muitos parabéns e que Deus te conceda todas as bênçãos que precises não só durante “os 14”, mas durante toda a tua vida, porque anjos da guarda e estrelas no céu a olhar por nós, já temos algumas…

Beijinhos do mano,
Saul Vitorino

Sinais de Deus

E, enquanto estava no Facebook, a minha irmã veio ter comigo e abraçou-me.

Em seguida, pediu-me para publicar este pequeno texto, algo que está, a partir deste momento, feito.

E não é que a pequena ‘sacana’ está sempre a surpreender-me?

“Sinais de Deus

    Às vezes a vida dá-nos sinais mas, só nos apercebemos desses mesmos sinais, demasiado tarde quando não há mais nada a fazer. Muitas vezes pensamos que nós podemos controlar o mundo, mas não, Deus Ele é maior do que nós é Ele que controla o mundo, é Ele que faz com que chova ou com que faça sol, foi Ele que criou o Mundo. Mas não para nós homens o destruirmos como tantas vezes fazemos. Ele criou o mundo para haver paz não para haver guerra como em tantos países. Ele criou-o para os homens as mulheres e as crianças serem tratados como igual para não haver pobres nem ricos, para seremos todos felizes.

Lembrai-vos irmãos: Amai-vos uns aos outros como eu vos amei!”

Autoria: Mariana Vitorino

Data de Escrita: 25/03/2013

Feliz dia de S. José, feliz dia do Pai!

Feliz dia de S. José, feliz dia do Pai!

Em dia de S. José, dedico este desabafo ao meu pai José.

Gosto de recordar os momentos menos bons que tivemos, os momentos em que, por força das circunstâncias, estiveste ausente e algo desligado da minha infância – honestamente, não imagino a dor que, provavelmente, ainda tens, dentro de ti, por causa desta situação.

Apesar disto, desde cedo me foste capaz de mostrar valores como respeito, amizade, verdade, sinceridade, honestidade, justiça e, principalmente, o amor.

Em verdade te digo, são poucas as coisas que superam o amor de um pai, por seu filho e isso apenas o aprendi há poucos anos.

Na certeza da ausência de inspiração, serve este pequeno texto para te recordar o quão importante és, para mim, para a mãe e para a Mariana, diariamente; serve para te recordar que nem sempre foi fácil a nossa convivência; serve para te recordar que, nos momentos mais difíceis, estiveste lá para dar o teu conselho; serve para te recordar o quão frágeis somos, mas o quão felizes podemos ser; serve para te recordar dos pequenos passos que dei, das primeiras palavras, das poucas “sopas de urso” que me tiveste de dar – já diz a sabedoria popular, “poucos, mas bons” – pois foram no momento certo; serve para recordar que, onde quer que estejamos, haveremos sempre de estar juntos.

Todos os dias caminhamos, lado a lado, em direcção ao nosso Pai celeste. Certamente, o caminho é sinuoso, possui muitas armadilhas, mas a recompensa que daí advém é extremamente reconfortante. Espero que possa comemorar, junto a ti, não só o dia do Pai, mas o Natal, a Páscoa, as férias, os dias nos escuteiros, enfim, o número de dias que o Nosso Pai nos vai permitir continuar juntos, fisicamente.

Nem sempre serás compreendido, nem sempre darei o braço a torcer, nem sempre serei capaz de reconhecer que falhei…mas uma coisa jamais te negarei: o amor de filho, pelo seu pai.

“Que Deus te dê o dobro daquilo que tu me desejas!”

Um grande abraço, meu amigo, meu pai!

 

Data de Escrita: 19/03/2013

Autoria: Saul Vitorino

Parabéns, Cátia Paiva

Querida prima,

Honestamente não me recordo do dia em que me passei a recordar de ti. Confuso? Espero que não, afinal aquela fotografia que temos em casa da minha avó de um S. João ou uma outra festa, em que estamos caracterizados, a preceito, elucida a relação, algo forte, que sempre tivemos.

Se Deus realmente existe – o que eu deixei de duvidar – certamente terá bons planos para ti, seja no que concerne ao trabalho, à vida pessoal, passando pelo lazer e por situações em que és chamada a decidir.

Independentemente do que Ele tem planeado ou do que Ele orienta, cabe-nos aproveitar cada dia com energia, conscientes de que podemos “não ser ninguém no mundo, mas que podemos ser o mundo de alguém” – certamente, para nós, teus familiares ou amigos, fazes parte desse nosso mundo, um mundo no qual podemos estar em concordância, no qual pretendemos contribuir para a felicidade do próximo…

Lembra-te que estes dias são apenas isso mesmo, dias, em que, por alguma razão que nos é alheia, se festeja – em alguns locais e culturas é sinónimo de tristeza, para outros de alegria. O que interessa, verdadeiramente, é que sejamos capazes de fazer sorrir quem chora, erguer quem cai, partilhar com aqueles que pouco têm, corrigir os que erram, acreditar nos que não crêem…no fundo, sermos felizes fazendo os outros felizes!

Sei que és capaz, pois todos temos a essência e essa necessidade, dentro de nós.

Peço-te…aproveita este ano de uma forma mais intensa e mais genuína que aqueles que passaram, aproveita para seres tu mesma, sem medos e receios, aproveita para  fazeres algo que ainda não tenhas oportunidade de ter realizado – seja um sonho antigo, uma ambição – mas, acima de tudo, vive com a certeza de que és capaz de alcançar o que quer que seja!

Um enorme beijinho de parabéns, deste primo que tem a mania que gosta de escrever e que quer, a todo o custo, tocar o coração daqueles que o rodeiam.

 

Autor: Saul Vitorino

Data de Escrita: 11/04/2012

Dia do Pai

Para muitos um dia normal, para tantos outros um dia especial!
Todos nós escolhemos amigos, colegas de trabalho, conhecidos…mas não escolhemos a família…pai e mãe foram-nos atribuídos por Deus!
Há dias em que podemos não nos falar, podemos não desabafar, podemos inclusivamente não nos despedir quando saímos de casa, mas sabemos que ele lá está, sempre que é preciso!
A minha relação com o meu pai sofreu várias mudanças ao longo dos anos…Umas vezes distantes, outras vezes mais próximos…umas vezes zangados, outras vezes os melhores amigos! Assim é a vida em família, assim é a vida com o meu pai!
Lembro-me da sua mudança, lembro-me que conseguiu ver e sentir que algo brilhante o queria guiar…O PAI tocou o coração do meu Pai…e aí tudo melhorou! A pessoa, a personalidade, as acções…Tornou-se mais dado, tornou-se capaz de partilhar…
Vi-o chorar…a partir desse dia percebi que a sua vida ganhou novo rumo, nova motivação!
Mais podia dizer, mas as palavras escasseiam-me…afinal, tu já tiveste anos para as saberes escolher e aplicar, nos momentos certos! Eu? Ainda tenho muito caminho pela frente! Sei que o conseguirei, da mesma forma que conseguiste!
De vez em quando vem-me ao pensamento o seguinte: “Serei eu um bom pai?”, “Saberei educar os meus filhos?”, “Poderei proporcionar-lhes um futuro melhor?”…Não sei responder a estas perguntas, mas uma coisa eu sei…se seguir as passadas do meu pai, os seus conselhos e orientações, serei capaz de o fazer!
Já o disse uma vez e torno a dizê-lo: És e serás um exemplo!
Quando partires – daqui a longos e prósperos anos – lembrar-me-ei do teu olhar, do teu tom de voz, da tua mão levantada para um eventual açoite, mas, acima de tudo, lembrar-me-ei do imenso amor que por mim manifestaste e demonstraste!
Obrigado pai, obrigado José Vitorino!
Do filho orgulhoso,
Saul Vitorino

Data de escrita: 19/03/2012

Promessa de dirigente

Ao meu pai, José Vitorino


Disse-se ontem que Deus não nos fala ao ouvido, mas que encontra formas de nos tocar o coração. Seja um amigo, um familiar ou um desconhecido, Deus fala através dos outros, através do próximo.

Acredito que foi o que aconteceu a estes três homens, que passaram a ser homens de Deus. Não que já não o fossem, mas porque descobriram, nestes últimos meses, como é importante dar sem receber.

Permitam-me, pois, que vos deseje boa sorte nesta nova etapa da vossa vida, uma etapa exigente à qual tenho a certeza que nenhum de vós sairá vencido, mas sempre vencedor – seja porque recebeu um sorriso de um de nós, seja porque foi capaz de agir num momento em que outros se acobardaram, seja porque Cristo lhes tocou o coração.

Seguidamente, pretendo dirigir-me, perante todos vós, ao novo dirigente e meu pai – José Vitorino -, ao qual, nos últimos anos, tenho visto um exemplo a seguir. É impressionante quando Deus nos toca o coração e nos transforma, de tal forma, que nos tornamos pessoas melhores, mais activas e conscientes do mundo que nos rodeia.

Recordo-me que o detentor da proeza de derreter um comando de televisão, enquanto fazia zapping, é este homem que todos vêem! Sinceramente, não sei como o fez e, actualmente, pouco me importa. Com o nascimento da minha irmã, as coisas mudaram…houve um click muito subtil, e, aos poucos o meu pai foi-se aproximando ainda mais da família – era o espírito santo a começar a inundá-lo. Mas para que se sintam estas mudanças são necessários alguns anos, mas aceitá-las, isso sim é um desafio constante, ao qual todos deveríamos saber responder.

Felizmente observo que Tu, pai, conseguiste compreender e aceitar o que Deus traçou para ti. Estás apto a fazer o qu’Ele espera de ti. Confesso que o que mais me marcou foi a tua caminhada a Santiago de Compostela – quando chegaste, reparei que estavas diferente, que estavas mais tranquilo contigo, que tinhas encontrado a luz que procuravas, mesmo inconscientemente, afinal “Sin Dolor, no hay Glória” – “Sem dor/sacrifício, não há glória”.

Recordo que, durante esta semana, a minha mãe havia comentado com a minha irmã: “O teu pai está diferente! Está mais calmo e tolera melhor as situações!” “O que achas disto, Mariana?” Ao qual a minha irmã respondeu “Eu só conheço o pai à dez anos!” Não me parece que sejam precisos dez anos para conhecer, verdadeiramente, uma pessoa…são precisos, sim, momentos em que a santíssima trindade age sobre nós, nos toca, nos pede – “representa-nos, evangeliza, segue o teu caminho pois nós estaremos contigo”.

Quero agradecer a todos as pessoas que tornaram este momento possível, aos familiares, amigos e escuteiros, que com a sua maneira de ser, despoletaram, ensinaram e acreditaram no meu pai. Se bem o conheço, dificilmente vos desiludirá, já que sempre se pautou por um conjunto de valores e regras a que todos fomos habituados!

Agradeço-te a ti, Deus Pai Todo Poderoso, por teres tocado dentro do coração deste teu servo. Ajuda-o a ajudar, a dar sem receber, a criar as pontes entre os valores fundamentais…mas acima de tudo a ser quem é e a cumprir aquilo que o define. Afinal, “o sonho comanda a vida” – Tu já sonhaste, cabe-lhe a ele concretizar esse sonho, que tão ternamente traçaste para ele!

Autoria: Saul Vitorino

Data de Escrita: 14/01/2012

Mãe…

Mãe,

O que significa mãe? De onde surgiu esse termo? O que é uma mãe?

Segundo um dicionário mãe é “mulher que tem ou teve filho ou filhos”;  Mulher carinhosa; Protectora.

Diz-se por aí que mãe há só uma. Porque será? Porque não existem mais mães?

Talvez porque não existem duas mães iguais, talvez porque não há qualquer curso para a maternidade.

Todos os dias somos bombardeados com mães improvisadas, filhos que perderam as mães, mães que não dão qualquer valor aos filhos e que simplesmente os desprezam.

Pergunto-me onde está a humanidade não só das mães mas também dos pais, dos avós, dos cidadãos de Portugal e do mundo.

Contudo mãe, aquela que nos criou, aquela que nos trouxe ao mundo, que nos educou e continua a educar, que nos apoiou e nos continua a apoiar.

É certo que às vezes não compreendemos as suas atitudes, é certo que reclamamos imenso com elas, pensando que não têm razão nenhuma no que dizem, mas acabamos por verificar o contrário.

Uma mãe é uma amiga, uma companheira de vida, uma conselheira, uma irmã mais velha, cuja experiência de vida pesa nas suas atitudes, nos seus pensamentos, nas suas palavras.

Como te sentes em relação à tua mãe?

Pessoalmente tanto a nossa mãe como o nosso pai, são “aquelas” pessoas, pessoas que estarão sempre lá, mesmo que estejamos longe, isolados do mundo. Eles preenchem-nos o pensamento, o coração, a vida.

Nunca te esqueças de quem foste, de quem és.

Lembra-te sempre da força de vontade que te é característica, nunca te esqueças de repreender quando necessário, de mimar quando é preciso, de ajudar quando solicitado.

Guarda no coração aqueles que não te cabem na cabeça por serem demasiado grandes em tamanho e tão minúsculos em pensamento.

Filho ou Filha, pega em cada oportunidade e diz-lhe “Obrigado Mãe!”

Eu aproveito para dizê-lo agora:

Obrigado Mãe, por seres quem és, por lutares por nós, por seres pedra preciosa no seio desta família. Que sejas paciente, que cumpras a tua função aqui: Seres feliz, na presença dos que te amam verdadeiramente.

Do filho,

Saul Vitorino

Data de Escrita: 03/05/09